• MUDANÇA NO ESTILO DE VIDA QUE MELHORAM A PRESSÃO ARTERIAL

    Uma vez que cerca de 25% da população mundial incluindo o Brasil, tem hipertensão arterial sistêmica (HAS) é importante conhecermos alguns hábitos que ajudam no melhor controle da HAS levando a menores complicações desta doença assim como menor uso de medicamentos.

    Mudança no estilo de vida (MEV) controle do peso: O aumento de peso este diretamente relacionado ao aumento da pressão arterial (PA) tanto em adultos quanto em crianças. A partir do índice de massa corpórea (IMC) > 25 (sobrepeso) e > 30 (Obesidade) já se tem uma contribuição para maiores níveis pressóricos. O aumento de gordura visceral (abdominal) também é considerado um fator de risco para HAS. Reduções de peso e de circunferência abdominal (CA):

    CA<80 cm nas mulheres e < 94 cm nos homens correlaciona-se com reduções da PA e melhora metabólica,

    Medidas dietéticas:

    Padrão Nutricional: O sucesso do tratamento da HAS com medidas nutricionais depende da adoção de um plano alimentar saudável e contínuo. A utilização de dietas radicais resulta em abandono do tratamento.

    A dieta DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) enfatiza o consumo de frutas, hortaliças e laticínios com baixo teor de gordura; inclui os cereais integrais, frango, peixe e frutas oleaginosas; preconiza a redução da ingestão de carne vermelha, doces e bebidas com açúcar. Ela é rica em potássio, cálcio, magnésio, fibras e contêm quantidades reduzidas de colesterol, gordura total e saturada. A adoção desse padrão alimentar reduz a PA.

    A dieta do Mediterrâneo também é rica em frutas, hortaliças e cereais integrais, porém possui quantidades generosas de azeite de oliva (fonte de gorduras monoinsaturadas) e inclui o consumo de peixes e oleaginosas, além da ingestão moderada de vinho tinto.

    Baixa ingestão do sal: O aumento do consumo de sódio esta relacionado com o aumento da PA. O limite de consumo diário de sódio em 2 G (cerca de 5 gramas de sal) está associado à diminuição da PA. Lembrando que o consumo médio do brasileiro de 11,4 g/dia!

    Ácidos gracos insaturados: Os ácidos graxos ômegas – 3 provenientes dos óleos de peixe (eicosapentaenóico – EPA e docosaexaenóico – DHA) estão associados com redução modesta da PA. Estudos recentes indicam que a ingestão > 2g-dia de EPA + DHA reduz a PA e que doses menores (1 a 2 g/dia) reduzem apenas a pressão sistólica (PAS).

    Fibras

    As fibras solúveis são representadas pelo farelo de aveia, pectina (frutas) e pelas gomas (aveia, cevada e leguminosas: feijão, grão-de-bico, lentilha e ervilha), e as insolúveis como o trigo, grãos e hortaliças. A ingestão de fibras promove discreta diminuição da PA, destacando-se o beta glucano proveniente da aveia e da cevada.

    Oleaginosas: O consumo de oleaginosas auxilia no controle de vários fatores de risco cardiovascular, somente alguns estudos relacionam esse consumo com a diminuição da PA. Diversos topos de castanhas foram eficientes em diminuir a PA.

    Alho

    O alho possui inúmeros componentes bioativos, como alicina (encontrada no alho cru) e as s-alil-cisteína (encontrada no alho processado). Discreta diminuição da PA tem sido relatada coma suplementação de várias formas do alho.

    Café e chá verde

    O café, apesar de rico em cafeína substancia com efeito de aumentar a PA, possui polifenóis que podem favorecer a redução da PA. Estudos recentes sugerem que o consumo de café em doses habituais não esta associada com maior incidência de HAS nem como elevação da PA. Recomenda-se que o consumo não exceda quantidades entre 1 a 3 xícaras de 50 ml de café. Os chás verdes alem de rico em poliferos, em especial as catequinas, possui cafeína. Ainda não há consenso, mas alguns estudos sugerem que esse chá possa reduzir a PA quando consumindo em doses baixas; pois doses elevadas contem maior teor de cafeína e podem elevar a PA.

    Chocolate amargo: O chocolate com pelo menos 75% de cacau pode promover discreta redução da PA, devido às altas concentrações de polifenois. Recomenda-se a ingestão diária de cerca de 10 gramas de chocolate amargo 75%.

    Álcool: O consumo habitual de álcool eleva a PA de formas linear e o consumo excessivo associa-se com aumento na incidência de HAS. Limitar o consumo diário de álcool a 1 dose nas mulheres e pessoas com baixo peso e 2 doses nos homens. Uma dose contém cerca de 14 g de etanol e equivale a 350 ml de cerveja, 150 ml de vinho e 45 ml de bebida destilada.

    Esta informação sobre o uso do álcool somente é valida para que aprecie o seu uso. Se a pessoa não faz uso de bebida alcoólica não recomendamos e não estimulamos a iniciar o seu uso.

     

    Fonte: adaptado da VII Diretriz brasileira de hipertensão – 25

     

    Deixe um comentário →

Deixe um comentário

Cancelar comentário