• ALIMENTAÇÃO – Conheça os benefícios do peixe e aprenda a prepará-lo.

    ALIMENTAÇÃO – Conheça os benefícios do peixe e aprenda a prepará-lo.

    peixe-no-prato
    O consumo de pescados ajuda a garantir uma dieta equilibrada e saudável. Conheça melhor seus benefícios e aprenda a escolher e preparar esse alimento

    Macia, leve e saborosa, a carne branca do peixe é uma opção saudável e fácil de preparar para as principais refeições. Apesar disso, sua presença no prato do brasileiro é restrita: cada indivíduo ingere, em média, apenas sete quilos de peixe por ano, segundo o Ministério da Pesca. Esse valor está abaixo dos 12 quilos recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “As pessoas ainda têm dificuldade para comprar e preparar o peixe, e o consomem apenas na Semana Santa ou quando vão ao litoral. O ideal é ingerir entre uma e duas vezes por semana”, avalia a nutricionista Luciana Bruno, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

    Entre as propriedades nutricionais dos pescados estão a presença de vitamina A, que aumenta a resistência contra infecções, e de vitamina D, que auxilia na absorção de cálcio. Eles também são fontes de minerais como sódio, potássio, ferro, fósforo, selênio e zinco. Porém, o maior benefício é trazido pela presença de ácido graxo ômega 3. A substância não é produzida pelo organismo humano e diminui o risco de doenças cardiovasculares, reduz a pressão arterial e os níveis de triglicerídeos e de colesterol total, além de ter função anti-inflamatória e atuar no desenvolvimento cerebral, contribuindo para melhorar o humor, a concentração e a memória.

    De olho no peixe
    Para usufruir dos benefícios do peixe, é preciso ter cuidado na hora da compra. “Observe a limpeza do ambiente que vende o pescado e a forma de conservação, que deve ser em baixa temperatura”, diz Luciana. “O bom acondicionamento evita a proliferação de bactérias”, complementa a infectologista Carolina Lázari, consultora para Educação em Medicina e Saúde do Fleury.

    Também é importante verificar as seguintes características: o peixe tem odor característico, mas não deve ser muito forte ou desagradável; a carne deve estar firme, com escamas bem aderidas e sem manchas; os olhos têm de ser brilhantes e salientes; as guelras devem ser vermelhas e sem viscosidade. “Peixes inteiros não podem estar com o ventre inchado. Se estiverem abertos, a carne da barriga não pode ser fina ou amolecida”, detalha a infectologista. Na praia, ao comprar de pescadores, deve-se optar por peixes que acabaram de ser pescados ou que estejam em compartimentos com gelo.

    Essas dicas evitam contaminações, especialmente as bacterianas. Pode haver contaminação por enterobactérias, conhecidas como coliformes fecais, e por estafilococos, que produzem toxinas em alimentos malconservados”, diz Carolina.

    Atenção na cozinha
    Ao preparar o peixe, é preciso manter ambiente e utensílios limpos e lavar as mãos. Para o consumo, recomenda-se o alimento assado, cozido ou grelhado, pois as altas temperaturas ajudam a eliminar as bactérias. “A fritura também tem esse efeito, mas a imersão em gordura minimiza as características saudáveis do peixe”, esclarece Carolina.

    Para ser ingerido cru, o peixe deve passar antes por congelamento, que evita o aumento de bactérias e elimina o parasita Diphyllobothrium latum, que pode causar dor abdominal e diarreia. Segundo a nutricionista Luciana Bruno, o peixe cozido ou enlatado oferece os mesmos nutrientes da versão crua.

     

    Fonte: Revista Fleury

    Deixe um comentário →

Deixe um comentário

Cancelar comentário